O que é

Reconhece-se ao território das Aldeias Históricas de Portugal (AHP) um conjunto de elementos que o diferenciam, nomeadamente, aqueles associados à sua identidade material, assente no património arquitetónico e natural, e elementos imateriais, referentes ao património histórico e cultural (atividades, técnicas tradicionais, costumes e tradições), influenciado pelo enquadramento das Aldeias Históricas de Portugal no meio físico e localização geográfica. Os elementos diferenciadores do recurso endógeno Aldeia
Histórica de Portugal são indissociáveis e determinam o seu valor enquanto recurso inimitável, sendo as sinergias e fortes complementaridades estabelecidas entre si responsáveis pela afirmação de uma especialização económica assente no turismo e na valorização de produtos locais, através do desenvolvimento dos sistemas produtivos.

Em alinhamento com a necessidade dar continuidade e consistência à estratégia PROVERE definida no anterior período de programação 2007-2013, tirando partido da experiência obtida e consolidando as iniciativas com impacto efetivo no território, a Aldeias Históricas de Portugal - Associação de Desenvolvimento Turístico (AHP-ADT) assume o desafio de desenvolver uma estratégia integradora e concertada com todos os stakeholders para o período 2014-2020, denominando-se Estratégia de Eficiência
Coletiva das Aldeias Históricas de Portugal para 2020 (EEC AHP 2020). Acreditando que a resposta a este desafio passa pela criação de condições facilitadoras da coesão social, empreendedorismo, competitividade e sustentabilidade do território com base no crescimento verde, a estratégia apresentada para o actual período de programação encontra um forte alinhamento com as prioridades da Estratégia Europa 2020 e
com as diretrizes definidas pela União Europeia através do Quadro Estratégico Comum 2014-2020, bem como com os instrumentos nacionais, regionais e sub-regionais estabelecidos para o período de programação referido.

Pretende-se que a Estratégia definida para o período 2014-2020 contribua para a coesão e competitividade do território das AHP através da inovação (crescimento inteligente) e promoção do uso eficiente dos recursos apostando na sustentabilidade ambiental adaptação ao crescimento verde (crescimento sustentável) e na coesão social (crescimento inclusivo), reforçando o desenvolvimento local e o reconhecimento da marca AHP no contexto nacional e internacional. Além disso, pretende-se que a Rede das AHP possua capacidade operacional e institucional para a formalização de uma candidatura a Património da Humanidade da UNESCO, com o reconhecimento da valia histórica destes recursos. Para esta prerrogativa é crucial continuar a implementar ações com vista à preservação e valorização do património / conjunto das AHP e dos saberes e atividades económicas associados, diferenciando-os no contexto internacional pela vinculação a conceitos de inovação e sustentabilidade (crescimento verde), a par com regeneração urbana e inclusão social, valorizando para tal o conhecimento científico e empírico como ferramenta chave para a consolidação de um “produto” distintivo.